Tantas Faces

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

Rio e Mar



Ás vezes é ser nuvem e sumir
Esvaziar de tua terra minhas pegadas
Se tu não vês minhas ondas
O meu imenso azul se abrir

Na concha, escutei teu sereno
Tuas chuvas deliciaram meus cabelos
O sol de tuas palmas movimentou meu oceano...

Não pisa teus pés minha areia, com zelo.
Com zelo é sempre engano.

Paixão é misturar-se ás águas
Do mar bravio sem qualquer plano.

É quem pisa os corais e se engendra
no mel. Ou se melindra
a outra criatura
no próprio mel, por alma pura...
Então assim, desconstruído e dorido
bravio e ferido...

É que de tanto mel separa
o mel. E resguarda,
por indulgência a água salgada.

Ou por soluço ou mágoa com medo mesclada
ou por amor e mais nada.

Direitos autorais de Maithê de Oliveira

Um comentário: